Dieta significa REMOÇÃO + ADIÇÃO!

Ao iniciar uma dieta você deverá sempre recordar que é preciso remover alimentos ofensivos e adicionar alimentos que irão curar os sistemas do corpo.
Quando falamos em dietas para crianças dentro do Espectro Autista estamos nos referindo a retirada de: glúten, caseína, soja, milho, fenóis, oxalatos, amidos, corantes, sabores artificiais, glutamato monossódico, gordura trans, açúcar refinado, nitratos, nitritos, leveduras, conservantes, aspartame e outros adoçantes artificiais. E também estamos nos referindo a adição de: alimentos nutritivos, alimentos fermentados – ricos em probióticos, alimentos fáceis de digerir e de fácil absorção, alimentos orgânicos, gordura boa, ...
Além disso, é preciso testar a sua criança para saber se a mesma sofre de alguma intolerância alimentar (IgG) ou alergia (IgE). Dando positivo o resultado, retire esses alimentos problemáticos da dieta.
Algumas dietas específicas são conhecidas por ajudar milhares de indivíduos portadores de Autismo e TDAH. Vejamos agora algumas dessas dietas e como o seu filho(a) pode se beneficiar através delas. Não tenha medo de experimentar!

Body Ecology Diet – Donna Gates é uma Consultora Nutricional e autora do livro “Body Ecology Diet”. Cansada da medicina convencional que não conseguia curá-la de um problema crônico com fungos, ela começou a estudar diferentes conceitos de cura abordados na medicina chinesa, assim como estudou o impacto dos macrobióticos, das comidas cruas e terapia de suplementação adequada. Tudo testado com ela mesma!
A “Body Ecology Diet” é uma dieta livre de glúten, caseína e açúcar. Aqui é totalmente recomendado o uso de comidas fermentadas, já que a utilização desses alimentos irá cooperar para um sistema imune forte e assim lutar de forma efetiva contra infecções.
Essa dieta ajuda a restabelecer e manter a flora intestinal saudável para que o seu corpo possa funcionar corretamente e para eliminar ou controlar sintomas indesejáveis. Além disso, ela fortalece o sistema imune, aumenta a energia, previne doenças e resfriados, combate o super crescimento de fungos, gases fortes e desconforto digestivo.

O foco dessa dieta é:
  1. Adição de alimentos fermentados
  2. Adição de gordura boa e óleos nutritivos para cozinhar
  3. Adição de vegetais e alimentos alcalinizantes
  4. Reduzir drasticamente o consumo de açúcar e carboidratos

Segundo o ARI (Autism Research Institute) essa é uma das dietas mais eficazes para combater a cândida que é tão presente na vida dessas crianças. A chave da dieta é a combinação de carne com vegetais e amidos com vegetais, mas NUNCA carne e amido juntos.

Dieta sem glúten e Caseína – Na década de 60 o Dr.Curtis Dohan começou a investigar acerca da baixa incidência de Esquizofrenia em certos locais da ilha do pacífico sul. Para sua total surpresa esses indivíduos consumiam uma dieta baixa ou livre de glúten e caseína.
O glúten é a proteína encontrada no trigo, malte, cevada, centeio e aveia.
A caseína é a proteína encontrada no leite animal.
Segundo o Dr. Dohan isso ocorria devido a um defeito genético. Os indivíduos seriam incapazes de metabolizar o glúten e a caseína de forma apropriada. Sendo assim, níveis elevados de peptídeos poderiam ser responsáveis por comportamentos esquizofrênicos.
O Dr. Paul Shattock e outros, na década de 90 começaram a correlacionar o Autismo com o consumo de glúten e caseína. Muitos estudos demonstraram que havia um alto nível de peptídeos na urina dessas crianças e que alguns destes peptídeos poderiam causar um efeito opióide no cérebro. Isso significa que partículas de alimentos não digeridos de forma apropriada caem na corrente sanguinea através do intestino permeável e alcançam o cérebro, causando efeitos similares a heroína e a morfina. Por isso é extremamente importante focar na cura do intestino. Se o intestino encontra-se prejudicado pela ação de microorganismos patogênicos, há grandes chances dele, estar permeável, ou seja, repleto de pequenos buraquinhos por onde passarão essas partículas indigestas, dentre eles o glúten e a caseína, como também outros alimentos e substâncias.
O Dr. Reichelt é um médico Norueguês e grande pesquisador dos peptídeos opióides encontrados no glúten e na caseína. Segundo ele, a exposição em longo prazo pode causar danos na maturação do cérebro e contribuir para muitos comportamentos autistas, dentre eles a estranheza e o isolamento social.
O Dr. Robert J. Cade foi um médico americano, professor universitário, cientista e inventor. Embora fosse envolvido em muitas áreas da pesquisa médica, ele é amplamente lembrado como o líder da equipe de pesquisa que formulou a bebida esportiva Gatorade. Dr. Cade passou os últimos 15 anos estudando os efeitos de uma dieta livre de glúten e caseína em crianças portadoras de Autismo.

O que são peptídeos? Os peptídeos também conhecidos como proteínas, são biomoléculas formadas pela união dos aminoácidos. O mecanismo que une os aminoácidos é chamado de ligação peptídica.
A casomorfina é um peptídeo produzido através da digestão da caseína. A caseína é a proteína que encontramos no leite animal.
Já a gliadorfina ou gluteomorfina é um peptídeo derivado do glúten. O glúten seria a proteína do trigo, malte, cevada, aveia e centeio.
O que se sabe sobre esses neuropeptídeos é que ambos são capazes de diminuir a habilidade de sentir dor e afetam a função cognitiva do indivíduo.
O curioso dessa história, é que quando cientistas examinaram amostras da urina de crianças com Autismo, observaram que a grande maioria delas apresentava um alto nível desses peptídeos no resultado final de seus exames.
Segundo aduz o Dr. William Shaw, “crianças com Autismo geralmente são viciadas em produtos derivados de leite e trigo. E todo o problema tem início exatamente no intestino, já que a grande maioria apresenta o trato intestinal inflamado e permeável. Esses peptídeos que não foram digeridos de forma apropriada por falta da Enzima DPP-IV e outros fatores de comprometimento caem na corrente sanguinea através do intestino permeável e invadem o cérebro, causando uma série de danos. Crianças e adultos com problemas gastrointestinais e neurológicos geralmente só conseguem digerir o leite animal e o trigo parcialmente”.
Além disso, a casomorfina e a gliadorfina são compostos de 7 aminoácidos que apresentam muitas semelhanças em suas estruturas, vejamos:

CASOMORFINA: Tyrpro – phe – pro – gly – pro – ilê

GLIADORFINA: Tyrpro – gln – pro – gln - pro - phe

Essas semelhanças na estrutura desses peptídeos indica que eles afetam o cérebro semelhantemente.
Através do exame de Peptideos realizado através da urina, é possível saber se há peptídeos elevados no sangue da criança. (A urina nada mais é do que um fluido do sangue). Dando positivo, a dieta sem glúten e caseína é indicada para o indivíduo.
Pesquisas realizadas pelo ARI(Autism Research Institute), demonstram que a dieta livre de Glúten e Caseína alcança 65% de êxito em crianças com Autismo.

ALIMENTOS PERMITIDOS
  • Ácido Ascórbico
  • Acido fólico
  • Ácido lático
  • Açúcar Mascavo
  • Adoçantes como : Xilitol e Stevia
  • Amaranto
  • Amêndoas
  • Arabic gum
  • Ascorbic acido
  • Arroz
  • Baunilha
  • Batata
  • Batata doce
  • Beta caroteno
  • Bicabornato de sódio
  • Carbonatos
  • Carne branca e vermelha
  • Carragenina
  • Celulosa
  • Cereal de milho
  • Coco
  • Citrato de potássio
  • Cítrico Palmitato
  • Chá
  • Cremor de Tártaro
  • Dextrose
  • Dióxido de titânio
  • EDTA
  • Ervas
  • Estearoil Lactilato de Sódio
  • Estearoil Lactilato de Cálcio
  • Fava
  • Feijão
  • Frutas
  • Gelatina
  • Goma xantam
  • Gorduras saturadas
  • Glutamina
  • Grão de bico
  • Guar
  • Inhame
  • Lactato de cálcio
  • Lactato de sódio
  • Lácteos de batata, nozes, amêndoas, arroz e soja (para aqueles que não são intolerantes ou alérgicos a algum deles).
  • Lecitina
  • Leite de coco
  • Lentilhas
  • Limitar peixes e mariscos
  • Maionese
  • Manteiga de cacau
  • Margarina Becel
  • Mel(se não há problema com a Cândida é permitido)
  • Niacina
  • Nozes
  • Ovos
  • Polenta
  • Polyglycerol
  • Pimentas (puras, sem aditivos)
  • Queijo de soja . Tofu .
  • Sodium nitrato
  • Soja (quando não há alergias e intolerâncias)
  • Sorvete Ades
  • Tapioca
  • Tococoferoles
  • Tri cálcio phosphate
  • Verduras
ALIMENTOS NÃO PERMITIDOS
  • Aveia (salvo se for orgânico)
  • Biscoitos
  • Caseína
  • Caseína Hidrolisada
  • Caseinato de cálcio
  • Caseinato de potássio
  • Caseinato de amônia
  • Caseinato de magnésio
  • Caseinato de sódio
  • Centeio
  • Cerveja
  • Cevada
  • Creme de bavária
  • Coalhada
  • Cores e sabores artificiais
  • Extrato de cereal
  • Fosfato de lactoalbumina
  • Gordura de leite
  • Gum vegetal
  • Glutamato Monosódico
  • Lactoalbumina
  • Lactoglobulina
  • Lactoferrina
  • lactose
  • Lactulose
  • Leite (integral, semidesnatado, desnatado, em pó, condensado, evaporado)
  • Leitelho
  • Malte
  • Manteiga
  • Margarina que não seja Becel
  • Massas
  • Nata / creme de leite
  • Proteína de leite hidrolisada
  • Semo
  • Spelt
  • Soro de leite
  • Sorvete a base de leite animal.
  • Titrical
  • Trigo
  • Vinagre
DIETA ESPECÍFICA DE CARBOIDRATOS - Segundo o Dr. Samuel Gee essa dieta já existe há pelo menos 120 anos.
O Dr. Gee publicou em 1888 um relatório com a denominação de “Celiac Affection”. Nele ele descreveu alguns pacientes que possuíam intolerâncias a amidos.
Em 1920, o Dr. Valentina Haas começou a trabalhar como pediatra em Nova Iorque, e durante seu intenso trabalho observou diversos pacientes que apresentavam doença celíaca.
Naquela época, muitos indivíduos morriam, pois simplesmente não podiam digerir muitos alimentos.
Foi então, que o Dr. Haas começou a aprofundar seus estudos sobre o tema e descobriu que crianças celíacas podiam tolerar proteína do leite, alguns vegetais e frutas.
Mas, como estamos falando de crianças dentro do Espectro Autista é recomendado que ao fazer essa dieta os pais retirem a proteína do leite! Em 1924, o médico publicou seus estudos e tempos mais tarde trouxe à baila um protocolo dietético.
Na década de 50, o Dr. Haas já havia tratado de mais de 600 crianças com doença celíaca. Dessas 600, 370 casos foram estudados minuciosamente. Sendo certo, que 98% tiveram o seu problema intestinal curado graças a uma intervenção dietética proposta pelo médico. Nessa mesma época, em suas publicações, deu a dieta o nome de “Specific Carbohydrate Diet” ou Dieta Específica de Carboidratos.
A teoria do Dr. Haas aborda que o carboidrato, na forma de açúcar pode promover e fomentar o crescimento de bactérias e leveduras nos intestinos, causando um desequilíbrio e eventual crescimento excessivo desses microorganismos. Isto faria com que os carboidratos que não foram devidamente digeridos permaneçam nos intestinos, proporcionando ainda mais combustível para as bactérias e leveduras.
Esses microorganismos patogênicos irão produzir toxinas e ácidos que irão ferir o revestimento do intestino delgado. Muco excessivo pode ser produzido como um mecanismo de defesa contra a irritação causada por toxinas, ácidos orgânicos e carboidratos indigestos.
Segundo o Dr.Haas um grande número de doenças podem se desenvolver em razão desse desequilíbrio no sistema digestivo.
A dieta Específica de carboidratos visa corrigir esse desequilíbrio ao restringir alguns carboidratos que servirão de alimento para as bactérias intestinais e leveduras. Somente poderão ser consumidos na dieta carboidratos que ele acreditava ser bem absorvido e digerido.
Mas, foi Elaine Gottschall que tornou essa dieta realmente conhecida quando sua própria filha que sofria de Colite Ulcerosa se restabeleceu completamente ao eliminar carboidratos complexos de sua alimentação.
Vejamos:

ALIMENTOS ILEGAIS
  • Agar-agar
  • Xarope de Agave
  • Aloe Vera (contém polissacarídeos mucilaginosos, bem como aumenta a libertação do fator de necrose tumoral a qual está associada com a inflamação no intestino.
  • Farinha de amaranto (contém amido)
  • Araruta (é uma erva mucilaginosa. Ervas mucilaginosas são carregados de amido)
  • Astrágalo (contém polissacarídeos)
  • Fermento (saccharamycces cerevisae não é permitida)
  • Chá da casca
  • Cevada
  • Pólen de abelha
  • Cerveja
  • Trigo sarraceno
  • Raiz de bardana (contém FOS e mucilagem)
  • Feijão manteiga
  • Soro de leite coalhado
  • feijão cannellini
  • Conservas de legumes (Só são permitidos legumes frescos ou congelados)
  • Alfarroba
  • Carragenina
  • Goma de celulose
  • Cereal
  • Raiz de chicória
  • Grão de bico
  • Chocolate
  • Café
  • Milho
  • Xarope de milho
  • Dextrose
  • Linhaça
  • FOS
  • Proteína hidrolizada
  • Inulina
  • Suplementos com ferro
  • Isoglicose
  • Sorbitol
  • Manitol
  • Xylitol
  • Maltodextrina
  • Margarina
  • Alimentos processados
  • Glutamato monossódico
  • Ervas mucilaginosas
  • Sabores naturais
  • Aveia
  • Farinha de ervilha
  • Pectina
  • Polissorbato 80
  • Batata
  • Quinoa
  • Arroz
  • Centeio
  • Algas (é rico em polissacarídeo)
  • Farinha de semente (não é permitido porque a quantidade de semente em forma de farinha supera as poucas sementes que Elaine tinha em mente quando disse "sementes são permitidas após 3 meses de sintomas."
  • Soja
  • Splenda
  • Stevia
  • Sucralose
  • Batata doce
  • Tapioca
  • Extrato de tomate comercializado
  • Nabos
  • Trigo
  • Goma xantana
  • Raiz de yucca
ALIMENTOS LEGAIS

  • Amêndoas
  • Nozes
  • Castanha do Pará
  • Óleo de amêndoas
  • Leite de amêndoas
  • Anchovas
  • Maçã
  • Melão
  • Damasco
  • Alcachofras
  • Ácido Ascórbico
  • Aspargos
  • Ácido Aspártico
  • Abacate
  • Óleo de abacate
  • Bacon defumado é permitido 1 x por semana. Mas, se você encontrar bacon sem açúcar não será necessário limitar o consumo. Geralmente as variedades com pouco sódio não contém açúcar.
  • Bicabornato de sódio
  • Banana
  • Folha de louro
  • Manjericão
  • Carnes
  • Beterraba
  • Bagas
  • Feijão preto pode ser consumido quando os sintomas sumirem
  • Rabanete preto
  • Conservas de peixe podem ser consumidas se for conservado em óleo ou água. Checar os rótulos!
  • Frutas conservadas em seu próprio suco são permitidas
  • Óleo de Canola pode ser usado, mas não é recomendado
  • Alcaparras
  • Cenoura
  • Couve flor
  • Raiz-Aipo - No entanto, você deve ir devagar e ter cuidado. É muito fibrosa!
  • Aipo
  • Celulose que contém em suplementos
  • Repolho – usar com cautela se o indivíduo sofrer com gases
  • Acelga – usar com cautela se o indivíduo sofrer com gases
  • Canela
  • Ácido Cítrico
  • Coco
  • Leite de coco – após 6 meses na dieta!
  • Café fraco – Café instantâneo não é permitido!
  • Couve
  • Óleo de milho
  • Abobrinha
  • Suco de cranberry – de preferência da marca Knudsen’s Just, pois não tem açúcar. O suco deve ser diluído com água antes de beber, já que como se trata de puro suco de cranberry é muito azedo. Pode ser misturado com outras frutas e mel.
  • Pepino
  • Echinacea
  • Berinjela
  • Ovo
  • Avelã
  • Figo
  • Peixe
  • Óleo de Linhaça
  • Alho
  • Cebola
  • Ghee – Manteiga clarificada
  • Gengibre
  • Glicerina
  • Uva
  • Presunto – somente se curado no sal.
  • Yogurt caseiro
  • Mel
  • Molho de raiz forte – somente caseiro
  • Couve
  • Kefir – deve ser utilizado em crianças portadoras de Autismo somente após um longo período, quando o intestino já estiver atingido ou próximo do processo de cura.
  • Kiwi
  • Leucina – ingrediente de suplementos
  • Cordeiro
  • Lecitina - Derivada da soja (ilegal). Há abundância de lecitina na gema de ovo, e ElaineGottschall não vê necessidade de tirar a lecitina de todos os alimentos.
  • Limão
  • Lentilha (deve ser preparada de acordo com o livro escrito por Elaine Gottschall, “BreakingtheViciousCycle”.
  • Alface
  • Óleo de macadamia
  • Macadamia
  • Manga
  • Melao
  • Laranja
  • Carnes - são aceitas desde que não sejam processadas ou possuam aditivos.
  • Cogumelos
  • Mostarda – Desde que não contenha ingredientes ilegais
  • Nectarinas
  • Noz-moscada
  • Óleo de oliva
  • Azeitonas
  • Orégano
  • Mamão
  • Páprica
  • Salsa
  • Pêssego
  • Manteiga de amendoim- natural sem açúcar
  • Pêra
  • Ervilha
  • Nozes
  • Pimenta
  • Abacaxi
  • Pistache
  • Ameixa
  • Óleo de Cártamo
  • Saurkraut
  • Sementes – após 3 meses sem sintomas
  • Gergelim
  • Marisco
  • Espinafre
  • Abóbora
  • Óleo de girassol
  • Couve-nabo
  • Tangerina
  • Tomilho
  • Tomate – tomate enlatado é proibido
  • Vinagre
  • Amêndoas
  • Óleo de amêndoas
  • Agrião
  • Melância
  • Feijão branco
GAPS (Gut And Psychology Syndrome) - É uma condição, que estabelece uma conexão entre as funções do sistema digestivo e o cérebro. Este termo foi criado pela Dra. Natasha Campbell-McBride, neurologista, pós graduada em nutrição.
A dieta é baseada na SCD (Specific Carbohydrate Diet – Dieta Específica de Carboidratos). Não é permitido o consumo de amidos e açúcar por pelo menos 2 anos. A Dra. Natasha relata que usou durante anos em sua clínica a Dieta Específica de Carboidratos, entretanto, conforme ia adquirindo experiências valiosas realizava ajustes e adequava a dieta de acordo com cada sintoma, cada sistema operacional de seus pacientes, todos com problemas neurológicos e condições psiquiátricas.
O programa desenvolvido pela médica é dividido em 3 partes – Dieta, Desintoxicação e Suplementação.
Para a maioria das pessoas, GAPS é uma modificação enorme. Entretanto, se você for iniciando o processo devagar e com a devida compreensão da necessidade da dieta, com o tempo irá adquirindo condição emocional, psicológica e física para prosseguir.
A Dra. Natasha recomenda que seja seguida primeiramente a Dieta Introdutória. Dependendo da condição do indivíduo será possível avançar para a dieta completa rapidamente ou devagar.
A Dieta Introdutória é muito importante para aqueles que apresentam diarreia, constipação, dor abdominal, gases, etc. Essa introdução irá dar início ao processo de cura do sistema digestivo. Segundo a Dra. Campbell até mesmo pessoas saudáveis que estão enfrentando diarreia ou dor de barriga rapidamente melhoram com a dieta introdutória.


Dieta Introdutória segundo o Protocolo da Dra. Natasha

Toda manhã comece o dia com um copo de água filtrada e o probiótico. A água deve estar morna ou em temperatura ambiente, nunca gelada, pois água gelada irá cooperar para a inflamação do intestino.
Apenas utilize alimentos permitidos nessa fase, nada, além disso. E preferencialmente utilize ORGÂNICOS.
Realize o teste de sensibilidade alimentar e elimine esses alimentos por enquanto.

Estágio 1

Caldo de carne e de peixe fornece blocos de construção para as células de rápido crescimento, do revestimento do intestino. Como também apresentam um efeito calmante sobre as áreas inflamadas do intestino.
É aconselhável que você não compre esses caldos industrializados, pois são repletos de ingredientes prejudiciais.
Segundo a Dra. Natasha Campbell para fazer um bom caldo é preciso: articulações, ossos, um pedaço de carne com osso, um frango inteiro e cabidela de frango.
É imprescindível que você utilize articulações e ossos, já que eles fornecem substâncias de cura. (carne de músculo, não!)
Dra. Natasha também aconselha que você peça ao açougueiro para cortar pela metade os grandes ossos tubulares. Dessa forma, será possível o contato com a medula óssea após o cozimento. Os tecidos gelatinosos moles ao redor dos ossos e da medula óssea fornecem um dos melhores remédios para a cura do revestimento do intestino e do sistema imunológico. É importante consumi-los nas principais refeições.
Os tecidos moles que sobrarem podem ser adicionados a sopas mais tarde!
No livro da Dra. Natasha é possível encontrar algumas receitas de sopas e outros alimentos que curam o intestino de pacientes GAPS.
Quando fizer sopa com combinações de legumes, evite as muito fibrosas, como aipo e couve. Também é preciso remover sementes e peles dos vegetais: abóboras, abobrinhas, talo de brócolis, couve flor e qualquer outra peça que pareça muito fibrosa.
Também é importante não usar microondas, pois ele destrói os alimentos e seus respectivos nutrientes. Use o forno convencional para esquentar o alimento!
Sempre introduza alimentos fermentados. Lembre-se de começar devagar, introduzindo-os vagarosamente.
Comece com 1-2 colheres de chá por dia, durante 2-5 dias. Depois passe para 3-4 colheres de chá por dia durante 2-5 dias. Gradualmente vá aumentando a introdução do alimento, até que seja possível adicionar algumas colheres de chá do alimento probiótico em cada xícara do caldo supramencionado.
Se o seu filho(a) pode utilizar lácteos, posteriormente introduza yogurt caseiro ou kefir.
Se ele(a) ainda não pode, invista em vegetais fermentados, como o Saurkraut.
Atenção quando adicionar alimentos probióticos às refeições da criança. Se o alimento principal estiver muito quente as bactérias benéficas podem morrer.

Então, para começar você irá precisar:
  • Água mineral ou filtrada
  • Alimentos probióticos
  • Carnes cozidas – orgânicas
  • Ossos
  • Sopa de vegetais
  • Alho fresco
  • Raiz de Gengibre
  • Limão
  • Mel (opcional – se a criança não possui problemas intestinais)
  • Suplemento probiótico

Tenha em mente que a Dieta GAPS deve ser seguida por no mínimo 2 anos!
Ainda segundo a Dra. Campbell, os melhores alimentos são ovos (se a criança tolerar); carnes frescas e orgânicas; peixes igualmente orgânicos e mariscos; legumes e frutas frescas; nozes e sementes; alho e azeite virgem.
Ela também adverte para que os pais adicionem as refeições além de legumes cozidos, legumes crus, visto que apresentam enzimas essenciais para a digestão apropriada das carnes.
Não é aconselhável misturar frutas com as refeições, pois o padrão de digestão deles é bastante diferente, podendo trazer trabalho extra para o estômago. Frutas devem ser consumidas entre as refeições!
Gorduras naturais são extremamente recomendáveis nas refeições principais.
É prudente evitar alimentos processados, pois eles dão muito trabalho para o sistema digestivo que já encontra-se danificado por conta de uma série de microorganismos. Da mesma forma, evite corantes, sabores artificiais, conservantes e outros. O melhor é adquirir alimentos frescos!

ALIMENTOS ILEGAIS
  • Açúcar
  • Xarope de milho
  • Aspartame
  • Chocolate
  • Alimentos processados e enlatados
  • Conservantes
  • Sabores artificiais
  • Amido
  • Maltose
  • Levedura
  • Milho
  • Arroz
  • Batata
  • Aveia
  • Trigo
  • Centeio
  • Quinoa
  • Tapioca
  • Espelta
  • Semolina
OBS: Depois de 1 ano e meio seguindo a dieta você pode introduzir vagarosamente quinoa, trigo sarraceno e milho miúdo – fermentado para começar.
  • Inhame
  • Alcachofra
  • Batata doce
  • Leite deve ser evitado até determinado estágio. Mas, no programa GAPS é permitido o consumo de kefir, iogurte natural, creme fresco, queijo duro natural, manteiga e ghee. Muitas substâncias que estão presentes no leite podem causar problemas, mas o leite azedo (soured Milk) não contém lactose e já é pré digerido pelos microorganismos.
  • Leite pasteurizado
  • Feijão (ele geralmente é muito difícil de ser digerido – neste caso só é permitido o uso de feijão branco ou vagem)
  • lentilha
  • Refrigerante
  • Soja
  • Carne defumada
ALIMENTOS RECOMENDADOS
  • Bife de fígado e de outros órgãos devem ser consumidos com freqüência. (é muito nutritivo)
  • Carnes frescas ou congeladas
  • Vegetais e legumes frescos – todos os tipos exceto aqueles que contém amidos. Você pode cozinhar legumes a vapor, assar, grelhar, etc. Os vegetais crus e fermentados vão ajudar na digestão de proteínas e são desintoxicante. No entanto, se o indivíduo apresentar diarreia, é melhor que os legumes sejam cozidos até a diarréia cessar.
  • Suco de frutas maduras
  • Frutas cortadas
  • Manteiga orgânica
  • Ghee orgânico
  • Nuts (as nuts devem ser compradas nas cascas – elas possuem ácidos graxos essenciais e muitos outros nutrientes – entretanto, algumas pessoas podem apresentar dificuldade para digerir.
Home | Quem somos | Autismo & TDAH | Alimentos | Dietas | Tratamento Biomédico | Exames | Médicos DAN! | Contato
Liga de Intervenção Nutricional contra Autismo e Hiperatividade no Brasil
© 2012 LINCA BRASIL. Todos direitos reservados
Tels/Fax +55 (21) 0000-0000 - lincabrasil@lincabrasil.com.br
Design